CONVÊNIOS

- AFRAFEP
- AMIL SAÚDE
- AMI SAÚDE
- ASSEFAZ
- ASSEPAI
- BRADESCO SAÚDE
- CASSI
- CONAB
- EMBRATEL
- FUNASA
- GEAP
- LIFE EMPRESARIAL
- MEDIAL SAÚDE
- GOLDEN-CROSS
- APCEF
- PLAN-ASSIST
- UNIMED

AGENDE SUA CONSULTA!! ——————– Bancários: (83) 30425230 ——————– Miramar: 3021-4965

Posts Tagged ‘Bexiga baixa’

Prolapso Genital (Bexiga Baixa). Como devemos tratar?

Monday, February 27, 2012 @ 06:02 PM  posted by Rafael Rebouças

O tratamento ideal do prolapso genital (bexiga baixa) é tema de grande discussão entre urologistas e ginecologistas. Este bem desenhado trabalho (abaixo) compara a sacrocolpofixação laparoscópica com as telas vaginais. A tendência atual retoma a sacrocolpofixação como método de melhor resultado que fora abandonado devido à morbidade da cirurgia aberta. Com o uso rotineiro da laparoscopia, temos um procedimento que mantem excelentes taxas de cura e traz os benefícios da cirurgia minimamente invasiva: menor sangramento, menor tempo de hospitalização e ainda menor taxa de reoperação quando comparada à cirurgia de acesso vaginal.

Laparoscopic sacral colpopexy versus total vaginal mesh for vaginal vault prolapse: a randomized trial
Christopher F. Maher, MD; Benjamin Feiner, MD; Eva M. DeCuyper, MD; Cathy J. Nichlos, RN; Kacey V. Hickey, RN; Peter O’Rourke, PhD
American Journal of Obstetrics & Gynecology APRIL 2011

RESUMO
Estudo randomizado no qual se comparou os resultados da Sacrocolpopexia laparoscópica versus correção vaginal com tela para prolapsos genitais sintomáticos estadio >= 2. O follow-up médio foi de 2 anos. O grupo da correção laparoscópica apresentou um maior tempo operatório, menor tempo de internação e retorno mais rápido às atividades. A taxa de sucesso objetivo após 2 anos foi de 77% para a sacrocolpopexia VDL contra 43% com a tela vaginal (p<0,001). A taxa de reoperação também foi significativamente maior na cirurgia vaginal: 22% x 5% (p=0,006). Conclusão: em 2 anos de seguimento, a sacrocolpofixação laparoscópica apresentou maior taxa de satisfação e sucesso objetivo, além menor morbidade perioperatória e menor taxa de reoperação quando comparada a correção com tela vaginal.